Jump to content
Sign in to follow this  
aleroel

Ações Do Facebook Estreiam Na Bolsa E Sobem 12% Na Abertura

Recommended Posts

Ações do Facebook estreiam na bolsa e

sobem 12% na abertura

Minutos após a abertura, ações eram vendidas a US$ 43.

Companhia foi avaliada em US$ 104 bilhões.

Do G1, com agências internacionais

Comente agora

As ações do Facebook estrearam nesta sexta-feira (18) na Nasdaq, bolsa de valores de empresas de tecnologia em Nova York, operando em alta. Às 12h35 (horário de Brasília), apenas minutos após a abertura dos negócios, os papéis, negociados com o símbolo FB, subiam 12%, a US$ 43 --o valor previsto inicialmente era de US$ 38.

Houve um atraso de pouco mais de 30 minutos para o início das vendas dos papéis. Logo após a abertura, a companhia já era avaliada em US$ 117,82 bilhões. Por volta das 12h50, os papeis estavam sendo vendidos a US$ 38,12, uma alta de 0,31% em relação ao valor inicial da ação.

Enquanto o Facebook subia, outras empresas de internet tiveram quedas neste início de tarde. Por volta das 12h40, o LinkedIn caia 2,6%; o Groupon, 6%; o Pandora, 5% e o Yelp, 3,2%, segundo informações do "Wall Street Journal".

Abertura

Na abertura dos negócios, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, postou em sua página na rede social: "Mark Zuckerberg listou uma empresa na NASDAQ. — com Chris Cox e outras 4 pessoas".

Na oferta inicial de ações – que não ocorre em pregão – as ações foram vendidas a US$ 38. Com este valor por ação, a companhia foi avaliada em US$ 104 bilhões e pode levantar pouco mais de US$ 16 bilhões no processo de oferta pública inicial (IPO, em inglês) - o maior já arrecadado por uma empresa de internet nos Estados Unidos.

O Facebook apresentou seus documentos para realizar o IPO ao órgão regulador dos mercados norte-americano no início de fevereiro. A faixa de preço inicial de ações estimada pela companhia foi de US$ 28 a US$ 35, mas o valor acabou aumentando para uma faixa de US$ 34 a US$ 38 e estabelecido no número mais alto. Nesta semana, a empresa também anunciou que oferecerá 25% a mais de ações do que havia previsto.

Durante o período, Mark Zuckerberg, o fundador e CEO da empresa, também teve que responder a críticas envolvendo a aquisição do Instagram, por US$ 1 bilhão, e da startup Glancee. O executivo foi criticado por, segundo o "Wall Street Journal", ter negociado a aquisição do Instagram por conta própria e avisado o conselho da companhia da movimentação apenas no dia 8 de abril --a compra foi divulgada na imprensa no dia 9 de abril.

Entre as instituições envolvidas na oferta do Facebook estão Morgan Stanley, JP Morgan, Goldman Sachs, Bank of America, Barclays e Allen & Co. O banco de investimentos brasileiro Itaú BBA também está entre os coordenadores da oferta pública inicial do Facebook.

Entenda o que é um IPO

IPO (sigla em inglês para oferta pública inicial, que equivale à abertura de capital de uma empresa) é o primeiro lançamento de ações de uma empresa para o público. Por meio do IPO, é oferecida uma “fatia” da empresa a novos investidores, que passarão a ser sócios dela. Para a empresa, o objetivo é captar novos recursos.

Nessa oferta inicial, as ações são vendidas aos investidores por um preço fixado pela empresa, que é determinado por uma série de fatores, entre eles o tamanho da procura, a expectativa de lucros etc. A partir do IPO, as ações passam a ser negociadas em bolsa de valores.

Abertura do capital

“O Facebook ficou muito tempo com poucas atualizações. A Timeline mudou bastante a experiência de uso, mas acho que ainda há muito a ser feito”, diz Rafael Lamardo, professode Tecnologia da Informação da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

O site "foi construído para realizar uma missão social: tornar o mundo mais aberto e conectado", diz Zuckerberg em cartaentregue junto com a documentação para estrear na bolsa.

Mas Lamardo entende que o IPO pode fazer a rede social virar refém de processos ligados ao mercado de ações e aos acionistas. “Há um controle excessivo com as empresas que atuam na bolsa. Isso faz com que esta empresa foque apenas em recursos que trazem retorno [financeiro] para os usuários”, explica.

“Até agora, o Facebook teve liberdade para criar recursos que tornaram a plataforma melhor e muitas coisas não renderam dinheiro. Mas isso fez com que a rede social estivesse muito a frente dos concorrentes. Ter acionistas olhando as ações do Facebook de perto pode ser um problema neste sentido”.

10numerosfacebook.jpg

Jogos e apps

A rede social deve atingir o primeiro bilhão de usuários em agosto deste ano. Mas os dados de crescimento dão sinais de que pode haver uma desaceleração. Nos últimos 3 meses de 2011, o total mensal de usuários ativos do Facebook cresceu 5,6%, contra 10,5% no mesmo período de 2010. Segundo o site Socialbakers, nesse período houve leve queda nos Estados Unidos, líder em usuários, com cerca de 156 milhões.

Da receita, 86% vieram de publicidade e 12%, da parceria com a Zynga, que faz jogos para a rede social, como o Farmville e o Cityville. Os jogos são grátis, mas, quem quiser, paga por "vantagens" especiais. O Facebook também está tentando diversificar, de olho em serviços como o de notícias, bate-papo por vídeo e aplicativos móveis, citados no documento entregue para a abertura de capital. "Pretendemos crescer nossa base de usuários continuando com ações de marketing e melhorando nossos produtos, incluindo apps, para tornar o Facebook mais acessível e útil", diz o texto.

"Para que investidores paguem o preço deste negócio, eles vão ter que ser extremamente confiantes de que o Facebook será capaz de desenvolver novos canais de receita significantes", avaliou Ryan Jacob, da Jacob Funds, também à Reuters. "As oportunidades para eles são quase infindáveis se eles entregarem isso", acrescentou.

Brasil na mira

O Brasil é citado no documento que o Facebook entregou para a abertura de capital logo na parte em que a empresa explica sua estratégia para crescer. O primeiro item é expandir a comunidade de usuários no mundo, "incluindo mercados pouco explorados e grandes como Brasil, Alemanha, Índia, Japão, Rússia e Coreia do Sul".

Em 2011, a rede social cresceu 192% no Brasil, e passou o Orkut em número de usuários, segundo pesquisas do Ibope e da comScore, que registrou 36,1 milhões de visitas para o site vindas do país em dezembro passado. Emergente também no Facebook, o país é o 4º no ranking de usuários da rede social no mundo, perdendo só para os EUA, Índia e Indonésia, diz o Socialbakers.

Os futuros milionários

Até agora, o Facebook rendeu uma fortuna estimada em US$ 17,5 bilhões a Zuckerberg. Aos 27 anos ele está em 52º lugar na lista dos mais ricos da revista "Forbes", que o aponta como o 9º entre os 70 mais poderosos do mundo, atrás somente de estadistas, do Papa Bento XVI, do presidente do Banco Central americano, Ben Bernanke, e do fundador da Microsoft, Bill Gates.

Zuckerberg propos reduzir seu salário de US$ 500 mil para US$ 1 em 2013, mas continuará a ser compensado com o rendimento de suas ações da companhia, que seriam cerca de 28%.

História

O Facebook foi fundado em fevereiro de 2004 nos dormitórios dos alunos na Universidade de Harvard por Mark Zuckerberg, Chris Hughes, Dustin Moskovitz e o brasileiro Eduardo Saverin que, de acordo com o livro "O Efeito Facebook", ainda possuiria 5% da empresa após disputa judicial. Já no meio de 2004, a rede social recebeu sua primeira rodada de investimentos, feita por Thiel, no valor de US$ 500 mil. O nome inicial do site era Thefacebook.

Atualmente a empresa tem sua sede em Menlo Park, na Califórnia, e 3.200 funcionários.

Share this post


Link to post
Share on other sites

O Facebook cresceu muito desde que "nasceu" e pode apostar, as ações vão subir mais ainda.

A primeira vez que vi o Facebook pensei: "Puxa que interface simples. O que este site pode oferecer?". Agora porém............ Continuo com a mesma opinião!!! :D

Share this post


Link to post
Share on other sites

O Facebook cresceu muito desde que "nasceu" e pode apostar, as ações vão subir mais ainda.

Mas tudo que sobe, desce.

O Facebook (assim como outros sites do gênero) não tem valor nenhum. Estes valores exorbitantes se devem unicamente aos usuários.

Mas a internet é uma coisa dinâmica, daqui a algum tempo vai surgir outro site ou rede social modinha, os usuários migrarão e o Facebook irá cair.

E não será a primeira, nem a última vez que isso ocorre.

Quem se lembra do MySpace?

Em 2005 valia 580 milhões de dólares (mais de 1 bilhão de reais atualmente) e estava em plena ascensão. Em Abril de 2011 foi vendido por 35 milhões de dólares. Hoje em dia, nem isso vale.

Isso tudo porque o MySpace perdeu seus usuários (muitos até pro próprio Facebook). E quando os usuários se vão meu amigo, é game over.

Quem investir no Facebook pode ter algum lucro nos próximos 2 ou 3 anos, mas é muito improvável que isso se dê a longo prazo.

Quem está lucrando mesmo nessa é o Sr. Zuckerberg e quem já era acionista. :)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não dou mais que 5 anos para o facebook ficar pior que o orkut ou até mesmo myspace, ou seja concordo com o Ysaac, quem comprar as ações hoje lucrará durante uns 2 anos após isso será uma queda atrás da outra.


Portfólio atualizado (15/08/2014)DigitalPlanet.com.br

Share this post


Link to post
Share on other sites

Nossa.. quantos "oráculos" por aqui..

Saberiam me dizer, por que o Google ainda reina nas buscas? O Bing bem que tenta mas tá complicado..

O fato é que: não é a concorrência que quebra a sua empresa, é você mesmo.

Não existem "modinhas" e etc.. se não é integrável, não se recicla e etc.. vai pra vala mesmo.. igual demais empresas de outros ramos, só que em uma velocidade muito maior.

E "realmente" não tem valor algum.. só os dados e informações do comportamento de 901 milhões de usuários (e crescendo), mais uns "trocos" de receita... é...

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest

Nossa.. quantos "oráculos" por aqui..

Saberiam me dizer, por que o Google ainda reina nas buscas? O Bing bem que tenta mas tá complicado..

O fato é que: não é a concorrência que quebra a sua empresa, é você mesmo.

Não existem "modinhas" e etc.. se não é integrável, não se recicla e etc.. vai pra vala mesmo.. igual demais empresas de outros ramos, só que em uma velocidade muito maior.

E "realmente" não tem valor algum.. só os dados e informações do comportamento de 901 milhões de usuários (e crescendo), mais uns "trocos" de receita... é...

Penso a mesma coisa. Da forma com que colocaram acima parece que VAI baixar, independente do que ocorrer.

O segredo é inovar e diversificar. E as pessoas pensam que as milhares e milhares de páginas de empresas, anúncios e jogos não colaboram para a receita do FB? Imagine quanto uma empresa multinacional não paga por dia em seus anúncios que aparecem nos lados das páginas.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Rodrigo,

Exato companheiro.. além dos anúncios, imagine quanto vale saber o que o consumir quer, compra, compartilha e etc. Hoje, o que vale são os DADOS.

Uma listagem de e-mail (válida e que se preste), ultrapassa fácil os R$ 100.000. Se isso é para E-MAIL, imagine com informações mais precisas como o comportamento, o que gosta e o que não gosta.

Hoje, é difícil calcular quanto vale uma empresa apenas pelo faturamento.. tem empresas pequenas que tem softwares magníficos que acabam valorizando muito. No caso o Facebook, tem os dados que qualquer empresa GLOBAL quer. Para uma micro-empresa ou "eupresa" não vai interessar mesmo.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Saberiam me dizer, por que o Google ainda reina nas buscas? O Bing bem que tenta mas tá complicado..

O Google reina nas buscas porque é útil, tem um algoritmo incrível (embora ainda esteja longe da "perfeição") e porque a concorrência sempre foi fraca.

O Bing (antigo MSN), além de todos os defeitos que sempre teve, nunca foi o principal produto da Microsoft.

A Microsoft sempre foi uma empresa de software (Windows, Office, e afins) que tinha um buscador, entre tantos outros produtos.

O Google sempre foi um buscador, que passou a ter outros produtos.

Notou a diferença?

O fato é que: não é a concorrência que quebra a sua empresa, é você mesmo.

Não existem "modinhas" e etc.. se não é integrável, não se recicla e etc.. vai pra vala mesmo.. igual demais empresas de outros ramos, só que em uma velocidade muito maior.

Concordo em termos com a primeira afirmação, mas discordo da segunda. Tudo tem o seu ciclo. Nada é eterno.

Mesmo com toda a integração e novidades que possam ser implementadas, se um dia aparecer outro site melhor as pessoas migrarão. As pessoas querem sempre o novo, e há modinha sim.

E "realmente" não tem valor algum.. só os dados e informações do comportamento de 901 milhões de usuários (e crescendo), mais uns "trocos" de receita... é...

Como eu havia dito: o valor está nos usuários.

Penso a mesma coisa. Da forma com que colocaram acima parece que VAI baixar, independente do que ocorrer.

Não que isso seja garantido, o Facebook pode nos surpreender. Porém se eles não diversificarem os produtos/serviços assim como o Google fez, possivelmente em pouco tempo a situação será outra.

O segredo é inovar e diversificar. E as pessoas pensam que as milhares e milhares de páginas de empresas, anúncios e jogos não colaboram para a receita do FB? Imagine quanto uma empresa multinacional não paga por dia em seus anúncios que aparecem nos lados das páginas.

Exatamente, o segredo será diversificar e inovar. Vamos ver como eles vão se sair nos próximos anos.

E novamente: as empresas pagam milhões pelos anúncios pois o site está na "crista da onda" e tem 900 milhões de usuários.

Se os usuários um dia se forem, acaba tudo. :P

Share this post


Link to post
Share on other sites
O Google reina nas buscas porque é útil, tem um algoritmo incrível (embora ainda esteja longe da "perfeição") e porque a concorrência sempre foi fraca.

O Bing (antigo MSN), além de todos os defeitos que sempre teve, nunca foi o principal produto da Microsoft.

A Microsoft sempre foi uma empresa de software (Windows, Office, e afins) que tinha um buscador, entre tantos outros produtos.

O Google sempre foi um buscador, que passou a ter outros produtos.

Exato, existem N buscadores que sempre foram buscadores e não conseguiram chegar lá. O Bing foi um exemplo dentre os milhares... veja o Yahoo!, não se modernizou, rodou.

Assim como buscador do Google, o Facebook também sempre foi rede social e está sempre lançando novidades, atualizações e correções.

E faz tão bem, que nem o Google+ consegue chegar perto.. Tá, 170 milhões de usuários é uma estimativa de usuários, mas a maioria são inativos que criaram conta em outro serviço do Google e nem sequer usam o +.

Concordo com a primeira afirmação, mas discordo da segunda. Tudo tem o seu ciclo. Nada é eterno.

Mesmo com toda a integração e novidades que possam ser implementadas, se um dia aparecer outro site melhor as pessoas migrarão. As pessoas querem sempre o novo, e há modinha sim.

Ok, essa é a sua opinião. Se um serviço é sempre bem prestado, atualizado e modernizado, não tem por que acabar. Não existe ciclo que "acabe" com a excelência. E tenta mudar radicalmente a busca do Google para algo novo.. o usuário não vai gostar. Lembra do novo Orkut? A maioria queria voltar para o antigo rs..

E não chamaria de modinha e sim "gosto do povo".. o Google+ ainda não caiu nas graças dos usuários por alguma deficiência ou aquele Plus (que irônia) que falta..

Não que isso seja garantido, o Facebook pode nos surpreender. Porém se eles não diversificarem os produtos/serviços assim como o Google fez, possivelmente em pouco tempo a situação será outra.

Aí que está o X da questão.. o Google vive lançando produtos, fechando outros.. vide Wave, Labs e etc. A única coisa que dá dinheiro mesmo é o Adwords.

Agora estão com um projeto (Glass) e que na primeira apresentação, se mostrou um fiasco diante do vídeo que divulgaram. Sem mencionar o YouTube, que não dá lucro ou se dá, abaixo da média. Existem várias matérias em portais de respeito que fazem algumas análises.

Eu acho assim.. se torne especialista de UMA coisa e seja o melhor. Na minha opinião, Google deve continuar o ótimo buscador que é e o Facebook a ótima rede social.

A ideia de oferecer mais produtos é boa, aproveitamos a carteira de clientes/usuários e "vendemos" mais um produto.. isso no meio corporativo, é fantástico.. mas não vem se mostrando um ótimo negócio para o Google.

E outra grande questão é que eles não querem faturar 10mi ou 100mi com um novo produto, querem 1bi, 2bi e por aí vai. Se fatura 10mi, não tem vida longa no portfólio deles.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.
Sign in to follow this  

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.





×
×
  • Create New...